As autópsias a doentes que não sobreviveram à covid-19 estão a abrir pistas novas. Ainda não se sabe se virão a alterar o tratamento da doença, porém já tiveram influência na identificação de comportamentos das células em reação a ela

 

O boletim da Direção Geral de Saúde dava, ontem, conta de mais um caso de covid-19 na Madeira, mas o IASAÚDE (Instituto de Administração da Saúde), no seu relatório diário, não confirmou os 93 casos avançados a nível nacional.

 

A Madeira manteve-se até ontem com dois casos ativos de covid-19 e 90 doentes recuperados, conforme o boletim epidemiológico divulgado pelo IASAÚDE.

 

Sobre os casos ativos, diagnosticados na terceira semana de junho, no contexto das atividades de vigilância implementadas no Aeroporto Internacional da Madeira, a mesma fonte adianta que permanecem em unidade hoteleira dedicada a confinamento, sem necessidade de cuidados hospitalares.

 

A Madeira foi aquela que, em 2019, registou menor prevalência de consumo de bebidas alcoólicas e de comportamentos de risco acrescidos associados ao álcool entre a comunidade jovem. Mas as notícias não são apenas boas.

 

Albuquerque disse ontem que a Região já assinou um acordo com um laboratório, em Lisboa, para assegurar a realização de testes a passageiros que venham para a Madeira. Na próxima semana será celebrado o acordo com um laboratório no Porto.